Famalicão  |  PORTUGAL  |  www.saosomeusolhares.blogspot.com

Um qualquer lugar ao Norte será a pátria deste transmontano de olhar dividido entre horizontes largos e verdes profundos.

Jorge Pimentel é natural de Avelanoso, uma pequena aldeia do concelho de Vimioso, no Nordeste Transmontano e é entre a Terra Fria, o Planalto Mirandês e a “raia” com as “Terras de Aliste” (Alcanices-Zamora), que encontra as suas mais profundas referências. É nessa ligação à terra-mãe encontra razão para olhar mais longe, porque aí o chão sempre se encontra com o céu e percorrer caminhos de palavras.

No entanto, é no Minho, onde o horizonte se fecha na primeiríssima mancha de verde, que fez parte significativa do seu percurso de estudante, enquanto jovem e é aqui que retoma uma velha paixão – a fotografia – quando regressa para novos desafios profissionais, após aprofundamento de estudos e dedicação cada vez maior às ferramentas educativas proporcionadas pelo desenvolvimento tecnológico em informação e comunicação.

Atualmente Jorge Pimentel é professor do primeiro ciclo na cidade de Vila Nova de Famalicão e usa a fotografia e as suas possibilidades para promover o gosto pelo conhecimento e, especialmente, pela leitura e escrita, no universo marcado pela temporalidade volátil de recursos e atenção dos seus alunos.

A sua ligação à fotografia está entre a paixão e o uso, como forma de expressão e motivação para outras artes e competências comunicacionais mas é sobretudo uma dedicação de tempo livre cada vez mais curto.

Como fotógrafo amador, é eclético, emotivo e intuitivo, na forma e conteúdo da fotografia que realiza. Por vezes, a fotografia serve para assinalar um determinado ângulo de visão, interesse ou pormenor ou é forma de fixar o tempo e eternizar um momento; outras, ainda, a fotografia é puro recreio ou gozo da estética.

A busca permanente pelo melhor clique é uma aventura. É necessário estar lá, mas também que a coisa aconteça.

 

EXPOSIÇÃO: PALAVRAS D`OLHAR

© Jorge Pimentel

Comprometi-me com o olhar. 

Afirmei-o que “só”                                                                                                                                                              E tal pareceu-me possível.                                                                                                                                   

Como se o olhar se fizesse,                                                                                                                                                    assim, independente do ser.

Comprometi-me, afinal,                                                                                                                                                  a partir do olhar                                                                                                                                                          (muito para além do olhar)                                                                                                                                          com a linguagem das sensações                                                                                                                                        que se fazem palavras,

Comprometi-me, afinal,                                                                                                                                            com todos os sentidos                                                                                                                                                    e todos os sentires…                                                                                                                                                      Em Palavras D’Olhar

Do encontro entre a escrita e a fotografia, surge, quase que por graça, o blogue “São Só Meus Olhares”, para repositório digital de alguns “olhares dos olhos e da alma” e nele reconhece esse compromisso do olhar que se faz de palavras, expostas pela primeira vez na Biblioteca Municipal de Mirandela (2009) e mais tarde na Casa de Cultura de Vimioso (2011) sob o título “Entre fotos e palavras”.

Palavras D’Olhar” seguiu-se na maturidade desse compromisso com o sentir, enriquecido com novas fotos e novos textos, foi presente a público na Casa das Artes (Vila Nova de Famalicão, 2012), Casa Museu Adelino Ângelo (Vieira do Minho, 2012), Centro Cultural Municipal Adriano Moreira (Bragança, 2012), Museu da Misericórdia (Penafiel, 2012), Casa de Cultura da Trofa (Trofa, 2013) e Museu D. Diogo de Sousa (Braga, 1014).

Cada combinação entre um texto e uma foto de “Palavras D’Olhar” é reflexo de um estado de alma, em que o autor se pronuncia duplamente pela forma como olha e regista um momento e como verbaliza pensamento a partir desse olhar ou sobre o mesmo, ou sobre si e o sentido das coisas.

Gosto das palavras roladas                                                                                                                                  que se jogam em frases e textos,                                                                                                                          nos livros que leio em tardes soalheiras.

Gosto de as fazer minhas,                                                                                                                                              de as ter, assim dadas                                                                                                                                           pelas páginas dos livros…                                                                                                                                      esses…                                                                                                                                                                                esses que leio em tardes soalheiras.”

Qualquer exposição de “Palavras D’Olhar“, é diferente da anterior porque reorganizada em função de sentidos e sentimentos novos, a cada tempo, mas também porque, mantendo-se a lógica de se exercer como retalhos do blogue “São Só Meus Olhares”, é tão viva como este, atualizado de forma um quanto irregular, dadas todas as outras ocupações do autor, mas sempre revisitado, como quem teima em regressar a tempos a cada lugar e ao sentido do sentir

 

 

 

 

 

 

 

Total Page Visits: 10 - Today Page Visits: 3