JPedro Martins

PORTUGAL | Portugal | https://jpedromartinsfotografia.wordpress.com/

J.Pedro Martins nasceu em 1961 em S. João da Madeira e vive desde 1983 em Vila do Conde.

Fotógrafo e Professor.

O convívio desde a mais tenra idade com inúmero material fotográfico pertença de seu pai, um apaixonado pela arte, bem como a sua influência foram motivos determinantes para o início da sua actividade como fotógrafo em 1981.

Desde então participou em mais de três dezenas de exposições individuais e colectivas em Portugal e no estrangeiro.

É autor premiado em inúmeros certames de fotografia e editado em alguns livros da especialidade. Possui ainda trabalhos publicados em revistas de fotografia nacionais e estrangeiras, cartazes publicitários, blogues, jornais e capas de livros.

Autor e editor em 2005 do livro de fotografia “O Perfume da Tradição” centrado sobre a tradição dos Tapetes de Flores em Vila do Conde.

É o responsável desde 2013 pelo projecto fotográfico “Acrobatic Project” (https://www.facebook.com/AcrobaticProject) e mais recentemente do blog “4 Fotografias+1 Texto” em (https://jpedromartinsfotografia.wordpress.com)

É o fotógrafo do Teatro Municipal de Vila do Conde e da LFA – Lafontana Formas Animadas | Companhia de Teatro.

Novos projectos fotográficos estão a decorrer e outros encontram-se em fase de “germinação”.

A fotografia é para ele, uma simbiose de emoção, criação, comunicação, inovação, (auto)superação. Em suma, PAIXÃO.

.

EXPOSIÇÂO: NA RIBEIRA DESTE RIO

01.DSCF4666 - Cópia© JPedro Martins

5 fotografias a partir de “Na ribeira deste rio” de Fernando Pessoa

Na ribeira deste rio                                                                                                                                                  Ou na ribeira daquele                                                                                                                                       Passam meus dias a fio.                                                                                                                                  Nada me impede, me impele,                                                                                                                                Me dá calor ou dá frio.

Vou vendo o que o rio faz                                                                                                                                 Quando o rio não faz nada.                                                                                                                            Vejo os rastros que ele traz,                                                                                                                        Numa sequência arrastada,                                                                                                                              Do que ficou para trás.

Vou vendo e vou meditando,                                                                                                                                Não bem no rio que passa                                                                                                                               Mas só no que estou pensando,                                                                                                                    Porque o bem dele é que fará                                                                                                                           Eu não ver que vai passando.

Vou na ribeira do rio                                                                                                                                                  Que estão aqui ou ali,                                                                                                                                               E do seu curso me fio,                                                                                                                                       Porque, se o vi ou não vi.                                                                                                                                   Ele passa e eu confio.

Fernando Pessoa, “Na ribeira deste rio”

 

 

 

 

 

 

 

25 Total de Visitas 1 Visitas Hoje