ESPANHA

O meu nome é María Tudela .

Nasci e resido em Lorca.

Sou enfermeira de profissão. Descobri por casualidade a fotografia há menos de uma década e desde então pertence à minha vida. Realizei um curso de fotografia e  outro de edição na universidade popular, mas foram as minhas preocupações e curiosidade o que dirigiu a minha aprendizagem.

Há alguns anos decidi mostrar as minhas fotos nas redes sociais,  abrindo-me um leque de possibilidades.

Mais interessada nas sensações e na criatividade do que na técnica, manipulo e desfoco de forma intencionada. Não sigo normas nem regras. Utilizo as ferramentas de edição como instrumento de expressão artística. Creio que o importante é dotar de vida a imagem.

Mantenho a teoria de que fotografar é uma paixão que se desfruta, maioritáriamente em solitário e intimidade comigo mesma, permitindo cada vez que apertamos o disparador perdemo-nos e, encontramo-nos a mesmo tempo.

Para mim, uma imagem não é só um meio para mostrar o mundo, mas um canal para o sentir.

Cada dia aprendo algo novo sobre fotografia, e sem dúvida sigo tendo a sensação de não saber nada.

Já expus em Espanha e Portugal.

 

EXPOSIÇÃO: TOCANDO O CÉU

© Maria Tudela

A arte é o que se sente ou melhor, como se sente.

Não pude explicar em palavras o que me levou a empreender esse projecto, o que me levou a iniciá-lo ou o que senti que me pegou naqueles lugares. Talvez seja o desejo de acreditar … Algo tão inefável que eu preferi fotografar.

TOCANDO O CÉU, é uma exposição onde misturo a visão descritiva com a criativa e artística de um projecto que iniciei meses atrás e que chamei de “Depois do Coração de Jesus”. Pelo contrário, é uma aventura viajando pela minha província (Múrcia-Espanha), com a câmara em busca de estátuas e monumentos ao Sagrado Coração de Jesus.

Além do valor religioso, político ou cultural, que respeito profundamente, o que despertou o meu interesse por essas esculturas colossais é o ambiente, mais localizado em lugares altos e muito concreto para ser visto de qualquer lugar. Cada um deles tem uma história e uma contra-história e, embora pareçam iguais, não há uma idêntica. Há alguns renovados e outros em ruínas. Alguns são fácilmente acessíveis, outros, na natureza e no esquecimento dos seus devotos fiéis e da administração competente, apagaram todos os caminhos para sua base. Alguns são acompanhados por completa solidão no pico mais alto da sua zona, mas outros são a parte final de uma charmosa via crucis. Mas se há algo comum acima de tudo que os torna semelhantes, é o silêncio e a quietude que esses lugares emitem, encontrando algumas pessoas em tempos passados ou no tempo de hoje, o lugar perfeito para implorar ajuda, procurar respostas ou pelo menos encontrar sossego.

Os monumentos de Lorca, Archivel, Mazarrón, Librilla, Agrião, Totana, Ulea, Abanilla ou Monteagudo (os maiores da Espanha) são alguns dos que compõem a exposição, criados principalmente na guerra civil espanhola e durante o regime pró-Franco.

Se eu pudesse transmitir a paixão que despertou em mim esses lugares. Se eu pudesse fazê-los estacionar preconceitos e vê-los como os vejo, como lugares cativantes por sua calma, quietude e paisagem. Mas antes de tudo, se eu pudesse mostrá-las como as maravilhosas obras de arte que são.

texto María Tudela
Total Page Visits: 293 - Today Page Visits: 1