Pereira Lopes

PORTUGAL

Pereira Lopes nasceu no Porto, a 1 de outubro de 1955. Naquela época, os avintenses começavam a nascer fora de portas. Ao fim de 11 dias, já recuperado do nascimento, foi viver para Avintes. Até hoje.

O interesse pela fotografia começa aos 16 anos, quando ainda frequentava a Escola Industrial e Comercial de Vila Nova de Gaia e a revista “Amateur Photographer” era de leitura obrigatória.

Começa a fotografar, de forma sistemática, em 2005. Em 2007, faz um Curso de Fotografia, no IPJ do Porto com Miguel Ferraz.

Em 2008, é convidado pelo Instituto Português de Fotografia, a participar no livro “Olhares”.

Em fevereiro de 2011, participou na sua primeira exposição colectiva, na Galeria Olhos d`Arte, no Porto. A primeira exposição individual “Da luz e do olhar”, aconteceu na mesma galeria, em setembro de 2011.

Em 2014, foi o autor das fotografias do livro “20 Poemas en remanso”, com poesia de Carmen Muñoz. Em outubro de 2015, foi editado o livro “… 20 anos depois” com retratos de antigos funcionários da Empresa Mineira do Pejão. Em novembro, saiu a 2ª edição. Ainda em 2015, foi o autor da capa do livro de poesia “À flor da pele” de Carmen Muñoz e da capa da revista Arte Fotográfica #76. Em 2016, foi co-autor do livro ”20 retrato a cores”.

Já expôs em Portugal, Espanha, França e Chipre.

É o fundador e director do iNstantes – Festival Internacional de Fotografia de Avintes.

 

EXPOSIÇÃO: O SILÊNCIO DO OLHAR

© Pereira Lopes

 “O Poeta”

De tarde fui olhar a Cordilheira dos Andes que                                                                                         se perdia nos longes da Bolí­via                                                                                                                          E veio uma iluminura em mim.                                                                                                                          Foi a primeira iluminura.                                                                                                                                       Daí botei meu primeiro verso:                                                                                                                             Aquele morro bem que entorta a bunda da paisagem.                                                                           Mostrei a obra pra minha mãe                                                                                                                             A mãe falou:                                                                                                                                                                 irresponsabilidades                                                                                                                                                 Eu assumi: entrei no mundo das imagens

Manoel de Barros in “Ensaios fotográficos

 

 

 

 

 

 

77 Total de Visitas 1 Visitas Hoje