Pereira Lopes

PORTUGAL | http://www.pereiralopesfotografia.com

Pereira Lopes nasceu no Porto, a 1 de Outubro de 1955. Naquela época, os avintenses começavam a nascer fora de portas. Ao fim de 11 dias, já recuperado do nascimento, foi viver para Avintes. Até hoje.

O interesse pela fotografia começa aos 16 anos, quando ainda frequentava a Escola Industrial e Comercial de Vila Nova de Gaia e a revista “Amateur Photographer” era de leitura obrigatória.

Começa a fotografar, de forma sistemática, em 2005. Em 2007, faz um Curso de Fotografia, no IPJ do Porto com Miguel Ferraz.

Em 2008, é convidado pelo Instituto Português de Fotografia, a participar no livro “Olhares”.

Em Fevereiro de 2011, participou na sua primeira exposição colectiva, na Galeria Olhos d`Arte, no Porto. A primeira exposição individual “Da luz e do olhar”, aconteceu na mesma galeria, em Setembro de 2011.

Em 2014, foi o autor das fotografias do livro “20 Poemas en remanso”, com poesia de Carmen Muñoz. Em Outubro de 2015, foi editado o livro “…20 anos depois” com retratos de antigos funcionários da Empresa Mineira do Pejão. Em Novembro, saiu a 2ª edição. Ainda em 2015, foi o autor da capa do livro de poesia “ À flor da pele” de Carmen Muñoz e da capa da revista Arte Fotográfica #76.

Já expôs em Portugal, Espanha, França e Chipre.

Faz parte do Halo – Colectivo de Fotografia.

Organiza o PicNic`Arte.

É o director do iNstantes – Festival Internacional de Fotografia de Avintes.

 

MARCAS DO TEMPO

dsc_1446

© Pereira Lopes

O olhar é o habitáculo do tempo.                                                                                                                    O refúgio das dores e dos sonhos;                           ……                                                                                Útero da esperança, tantas vezes rasgado pelo medo.                ……….                                       Testemunha que não mente.                                 ……….                                                                               Justiça, por vezes cruel, por ser verdade!                        ….                                                                      Asilo no qual se abrigam os anos sedentos de vida                                                                              Ou cansados de tanto alcançar.                                                                                                                        O Olhar não se enruga com o tempo.                                                                                                             O Olhar aninha-se no tempo                                                                                                                               E desenha nele, com a sua visão do mundo,                                                                                            Os traços de memória, de saudade, de ilusão.                        ………                                                       Marcas da alma que ele deixa transparecer                                                                                                 E que o rosto insiste em retratar.                                                               .                                                Pura ilusão! A alma nunca se deixa captar!

Ana Homem de Albergaria                                                                                                                                         21 Novembro 2016

 

343 Total de Visitas 1 Visitas Hoje